Sobre lugares na história. Or: the cat in the bathroom.


(Texto em português abaixo)
About this painting: 
Life is taking me for quite a ride.

One day I find the love of my life, the other day my country become a hostile territory ruled by a mad man. Things that are apparently unconnected but everything has some common ground. 
This is the first time I make a painting to my home.

I wanted a painting in the toilet.

A cozy painting of a toilet.

There is a nice bathtube, towels, soaps, paintings on the wall, curtains and a window with a peaceful view, a sink and obviously a potty. It is cute and silly. It is a clean and safe place where people can sit and relax while doing their business. People will watch and be watched: there is a cat in the middle of the painting. In this personal metaphor the bathroom represents the comfort of finally having your own space to live and care for, while the cat is the owner, the user, the keeper and the guardian of the space that he finally can call home.
But the painting is also symbolic.

It’s the place where you “let go”. 

The place that you put out your excrements.

This painting could represent the whole contemporary moment of a country. An ambiance where everything looks satisfactory, but it is a sad representation of a whole home. It is a place to wash, but nothing is being washed. It is a place where every day a lot of sh*t is being done, deposited, spoken and exposed without any restriction, criteria nor shame. A country that allows massive defecation without due care, could soon be clogged, flooded, interdicted and ruined. A country, should not be turned in to a toilet by it’s government. Once again, it had everything to be put into good use and become a healthy, comfortable part of a good home. But if the cat sits there, in the middle, and does nothing, soon not even the cats will be able to live that environment. In this metaphor the bathroom is a country and the cat is its people. 
The narratives of my paintings are quite open. You can enjoy it or not, you can like it or not, but it is always up to the viewer to figure out where this place really is and how the characters will react to the story. I know what I want for my story and what I need to do to get there (I am there, indeed) I just hope the people from that country realize soon enough that just sitting and watching will not be enough.
PORTUGUÊS:
A vida está me levando para um interessante passeio.

Um dia encontro o amor da minha vida, no outro dia meu país se torna um território hostil governado por um louco. Coisas que aparentemente não estão conectadas, mas tudo na vida tem algum ponto em comum.
Esta é a primeira vez que faço uma pintura na minha casa.

Eu queria uma pintura no banheiro.

Uma pintura aconchegante de um banheiro.

Há uma banheira agradável, toalhas, sabonetes, quadros na parede, cortinas e uma janela com uma vista tranquila, uma pia e, obviamente, uma privada. É fofo e bobo. É um lugar limpo e seguro, onde as pessoas podem se sentar e relaxar enquanto cumprem seus afazeres biológicos. As pessoas vão ver e serem vistas: há um gato no meio da pintura. Nessa metáfora pessoal, o banheiro representa o conforto de finalmente ter seu próprio espaço para viver e cuidar, enquanto o gato é o dono, o usuário, o guardião e o mantenedor do espaço que ele finalmente pode chamar de lar.
Mas a pintura também é simbólica.

É o lugar onde você se desprende do que não precisa e “deixa ir”.

O lugar que você põe para fora seus excrementos.

Esta pintura pode representar o momento contemporâneo de todo um país. Um ambiente onde tudo é aparentemente satisfatório, mas é uma representação triste de uma casa inteira. É um lugar para lavar, mas nada está sendo lavado. É um lugar onde todo dia muita merda está sendo feita, depositada, falada e exposta sem qualquer restrição, critério ou vergonha. Um país que permite vergonhosa defecação sem o devido cuidado, poderá em breve estar entupido, inundado, interditado e arruinado. Um país, não deve se tornar a latrina suja ou o banheiro de seu governo. Mais uma vez, tinha tudo para ser usado para ser parte saudável e confortável de um bom lar. Mas se o gato está lá, no meio, e não faz nada, em breve nem os gatos poderão viver esse ambiente. Nesta metáfora o banheiro é um país e o gato é o seu povo.
As narrativas das minhas pinturas são bastante abertas. Você pode curtir ou não, você pode gostar ou não, mas é sempre o espectador que decide qual é este lugar e como os personagens vão reagir à estória. Eu sei o que eu quero para a minha história e o que eu preciso fazer para chegar lá (de fato, eu já estou lá). Eu só espero que as pessoas daquele país percebam em breve que apenas sentar e assistir não está sendo o suficiente.
Luciana Mariano, all rights reserved.

Advertisements

Emílias


Emília, de Monteiro Lobato era uma boneca de pano viva graças ao pó de pirlimpimpim. Minha Emilia é uma boneca morena, franzina, de olhos tristes e bochechas sorridentes, que sobrevive aos perigos da sociedade, do racismo, da misoginia, do feminicidio, da pobreza e se reinventa, se repara, se remenda e sobrevive, todos os dias. 

Emilia is a character from a famous Brazilian tale written by Monteiro Lobato. She is a hand-made cloth doll who came to life due a magical powder. My Emilia dares to be much more than that. She is a dark skinned doll with sad eyes and a cheeky smile, she is a surviver, someone that puts up with all dangers of society, racism, bigotry, misogyny, feminicide, poverty and yet reinvents herself, repairs her cuts, sew her patches, recovers her wholeness and survives, every day.
Emilia – 30×30 – acrylics on canvas – 2019 – SOLD

Purple flower


Friendship is like a surprising little gift and a delicate vase of pretty flowers.

You can’t always carry it around with you, but true friendship never leaves you.
You can spend a lifetime next door or move far away, fly long distances and perhaps even never return. But true friendship stays, imprinted in your mind and soul, reminding you of its beautiful happy colors and the sweet fragrance of kindness and generosity.
True friends are rare, but once you find them, nothing can sweep them away.

Time will pass, but the very thought of their existence in your life will aways bring a smile to your face. True friends tell the truth, but they will never be the reason of your tears. True friends transform things, places, tastes, smells and colors into indescribable memories of unique times, joy and love. Thank you dear friends, who didn’t let go of my hand in times of uncertainty. 
You know who you are.

I know too.
❤️
Hyvää syntymäpäivää Ulla.

Elas

She is the origin and the end

The temperance and the vast field

The provider, the nurture, the fertile ground

The warm embrace and the safe harbour

She has only two arms and yet, she carries the world

She is the world and all it’s adjectives

She is water, air, fire, earth

She is the ether

The calming word, the wise advice

The tempest and the thunder

With the force to create and destroy

She is a mighty warrior

and the peaceful dawn.

The wide shoulder and round belly

Where your body evolves and rests

and your soul finds shelter

The quiet sadness

the reprehensive look

The loud voice

the choacked scream

the surprising revelation

or the sweet laugh

Everything in her, around her

With her is pure creation and love

Not all women are mothers

But all creators are women.

 
Happy mother’s day

Happy mothers’ day

Happiness, every day.

 
*****

 
Ela é a origem e o fim

A temperança e o vasto campo

A provedora, a criação, o solo fértil

O caloroso abraço e o porto seguro.

Ela tem apenas dois braços e ainda assim carrega o mundo

Ela É o mundo

e todos os seus adjetivos

Ela é água, ar, fogo, terra

Ela é o éter

A palavra que acalma, o conselho sábio

A tempestade e o trovão

Com força para criar e destruir

Ela é a guerreira poderosa

e o amanhecer tranquilo.

O ombro largo e barriga redonda

Onde seu corpo se desenvolve e descansa

e sua alma encontra abrigo

A tristeza silenciosa

o olhar repreensivo

A voz alta

o grito sufocado

a revelação surpreendente

ou a risada doce

Tudo nela, ao redor dela

Com ela é pura criação e amor

Nem todas as mulheres são mães

Mas todos os criadores são mulheres.

 
Feliz Dia das Mães

Feliz Dia das Mães

Felicidade, todos os dias.

Inspired by the beautiful creators that ever crossed my path.

Vó Inez, mamãe, Ermã, primas, tias, amigas, Bodi, Martine, Hanna, Hanne, Sylvie, Carla, Lourdes, Cristina, Luciane, Mirna, Rose, Sarah, Francie, Claudia, Thais, Angelica, Ana, Andrea, Anniina, Barbara, Deise, Naty, Eliane, Iman, Wilza, Elô, Kelly, Priscilla, Regina, Suzana, Soraya, Ulla, Riikka, Riitta, Vitoria, Valeria, Vika, Katia, Maura, Sari, Dani, Fleur, Mari, Johanna, Deniz, Elena, Doro, Josi, Angela, Ninni, Adriana, Mariana, Ilza, Shirley, Iara, Mirella, Francine, Ana, Sol, Monica, Kesia, Phontip, Irene, Margui, Eevis, Talita, Larissa, Rebeca, Vau, Tatiana, Juneia, Gi, Ge, Vi, Heloisa, Alessandra, Vera, Lana, Bruna, Gigi, Piritta, Vânia…

The house of the three cats


The house of the three cats
Is a place where you can be who you are

There you are allowed to embrace

Whoever you were born to be.

It’s a place where freedom 

speaks louder than empty statements

And morals are built upon respect

For diversity

inclusion and justice.

In the house of the three cats

Your color

Beliefs

Sexuality

Tastes

and preferences

Can only concern yourself

And everyone else accepts you

Beyond your flaws and qualities.

Because you are

(also) 

so much more

Than your looks and opinions.

There you can exist 

without being judged

Days and nights are merely

Aspects of time

And you can interact with reality

According to your own

Perspective and perception.

There you can be 

serious

crazy

weird

All

Or nothing.

As long as you are 

Kind and respectful

Generous and gentle.

There you will find your kindred souls

No mater who you are.
Love takes you there, empathy is the key.

If you have it, you are always welcome.

******
A casa dos três gatos
É um lugar onde você pode ser o que é

Lá você tem permissão para abraçar

Aquele que você nasceu para ser.

É um lugar onde a liberdade

fala mais alto que declarações vazias

E a moral é construída sobre o respeito

Pela diversidade

inclusão e justiça.

Na casa dos três gatos

Sua cor

Crenças

Sexualidade

Gostos

e preferências

Só dizem respeito a você mesmo

E todo mundo te aceita 

Além das suas falhas e qualidades.

Porque você é

(Também)

muito mais

Do que sua aparência e opinião.

Lá você pode existir

sem ser julgado.

Dias e noites são meramente

aspectos do tempo

E você pode interagir com a realidade

de acordo com a sua

Perspectiva e percepção.

Lá você pode ser

sério

maluco

esquisito

Todos

Ou ninguém.

Contanto que você esteja

Bom e respeitoso

Generoso e gentil.

Lá você encontrará suas almas afins

Não importa quem você seja.
O amor te leva você até lá, mas empatia é a chave.

Se você a tem, você será sempre bem vindo.

Empodere suas meninas – Empower your girls


Sem justiça social

A violência cresce

A fome cresce

O abismo cresce

Sem educação

A violência cresce

A ignorância cresce

O abismo cresce

Alimente seu corpo com o que é bom e saudável.

Mas alimente seu intelecto com o que é rico e digno.

Empatia alimenta a alma e o próximo, promova-a.

Educação e leitura empodera seus filhos. 

Empodere as mulheres, elas podem salvar o mundo.

A arte empodera a alma.

Withou social justice

Violence grows

Hunger grows

The abiss grows.
Without education

Violence grows

Ignorance grows

The abiss grows.
Feed your body with good and healthy food

But also feed your intellect with what is rich and dignifying

Empathy feeds your soul and of your fellow men, spread it.

Education and reading empower your children.

Empower women, they can save the world.
Art empowers your soul.

Peaceful routine.


Once again I reccour to polarities, extreams, opposites, extremities.

In my personal life the peace I always dreammed of; beauty, harmony, love and simplicity.

In the world evil, greediness, injustice, hate, disgust, stupidity, cruelty.

I don’t understand and I also don’t accept such dispairity. It is not easy to find balance between these two realities. It is impossible to feel happy and at ease inside when you know the world is burning down and falling apart in the outside. When does it break even? How does it change? Where does it end? How long more should we be endure the pain og this sick, unfair, twisted world? How do we sleep at night knowing that someone is hurting, hungry, suffering, drowning?

How do we cope?

How to survive?

We find a way to scream in silence of art.
PEACEFUL ROUTINE – Acrylics on canvas – 40×50 – 2018 – Luciana Mariano (c) 

Arte na Tela

https://youtu.be/8n2VF0XbfA4

Click on the link above and heck out the interview on the TV program “Arte na Tela” shown in Brazil.

Para conhecer minha arte, clique no link acima e assista o programa “Arte na Tela” exibido no Brasil.

The dress


Difícil mesmo é, depois de tudo,

encontrar delicadeza para rendas e laços

Buscar por cores que exprimam

Com doçura,

Serenamente

A dor de tudo que já se perdeu.

Hoje dormem encarcerados homens inocentes

Enquanto brindam corruptos

A certeza da impunidade.

O mundo está surreal

Mas a arte segue

Mentindo

Abstraindo

Assistindo calada

O fracasso do que é bom.

No triunfo do que nem devia existir

Seguimos registrando figurativamente

Nossa própria mediocridade

Nossa ignorância

Nossa passividade

Diante do mal e do feio.

Caminhamos abnegadamente

Obstinadamente

Covardemente

Para o abismo.

Nem todas as sutilezas do mundo 

são capazes de suportar 

tamanha insensatez.

Prosseguimos mudos

Vazios, catatônicos

Ou simplesmente alheios.

Postando selfies

Acumulando “likes”

Expondo nossa própria

Banalidade e embriaguez.

Persistimos na absurdidade

na obtusidade

dos assuntos alheios

das opiniões

nos achismos

Mecânicos, induzidos, seguimos

Na cegueira voluntária

Na fé paralisante do gado

No ego exacerbado do espelho.

Transformando em notícia 

aquilo que já a ninguém interessa

Toca

Convence.

Comove.

Seguimos incrédulos.

Brutalmente despertos 

enquanto assistimos a carne que expira.

Ouvindo o ensurdecedor barulho

do silêncio dos isentos, 

que de isentos nada têm.

Nada tem.

Nunca tiveram.
Luciana Mariano (c)
*****
Harsh indeed it is, after all we’ve been through,

finding enough tenderness for laces and ribbons

Searching for colors that are able to express

Kindly

Serenely

The pain of everything that has already been lost.

Tonight, innocent men are being held in jail

While the corrupt are maliciously toasting

The certainty of their impunity.

The world is a surreal place

and art goes on

cheating

Abstracting

Watching quietly

The failure of good.

In the triumph of what should not even exist

We walk on.

Registering figuratively

our own mediocricy

our blessed ignorance

our raw passivity

before evil and ugly.

We carry on, selflessly

obstinatedly

cowardly

Towards the abyss.

Not all the subtleties of the world

are able to withstand

such foolishness.

We went silent

Empty, catatonic

Or simply oblivious.

Posting selfies

Accumulating likes

Exposing our own

Banality and drunkenness.

We persist in the absurdity

in the obtuseness

of other subjects

of our own opinion

Mechanically, induced,

we follow and obey.

In voluntary blindness

In paralyzing fear, like cattle

Morbid egos before the mirror.

Transforming into relevant 

What no long matters

What no longer touches

What no longer convinces.

Simply doesn’t.

We remain faithless.

Brutally awake

while watching the expiring flesh.

Hearing the deafening noise

of the silence 

of the exempt ones

They have never been exempt.

Not at all.

They never were.
Luciana Mariano (c)