beleza

Russian Poetry


The unknown is terrifying territory. 

Whoever was born in South-America, in the 70’s, grew up dreaming of Disneyland, getting a pair of imported “american” tennis shoes for Christmas and acquiring electronic devices. The idea of traveling, even inside the country, was a far fetch for most of the ordinary people. We had the freedom, just not the money (nor the culture). Cuba and Russia, throughout the Cold War years were painted as hell itself, those terrible communists child-eaters and their despicable, vicious, socialist ways. Anti propaganda was subtle and agressive, at the same time. Heaven on Earth was the american dream and Dante’s inferno were compressed in the letters USSR. 

Time is wise and the winds never ceases blowing. Life is this little sail boat that, by chance or necessity brings us to the edges of the world, and shows us what our eyes and soul were longing or needed to see. 

Life is full of plot twists.

From HEL ( those who travel know where it is) I had to flee to the Great Unknown.

And suddenly, here I was, prepared for the wild, cold and unkind roughness of Russia.  

Instead I found all the opposite of whatever bad things I had ever heard.

Kind, true, helpful, well read but humble, beautiful people. A city that transcends beauty, history, culture. Deep blue skies, white snowy grounds and breath taking architecture that even in a -23°C makes you just stop and gaze, astonished, such enchanted, magical, gorgeous sceneries. Useless to describe. If you want to comprehend the beauty of this place you will have to come and see, explore, experience it by yourself. Leningrad is amazing. Saint Petersburg is astonishing. 

The unknown is a wonderful territory.
Beauty and coziness inspired me.

Russian composition of color and poetry.
PAINTING AVAILABLE: 

“Russian Poetry” – acrylics on canvas – 30×40

march/2017 – Luciana Mariano ©

lucianamariano1@hotmail.com
*****

O desconhecido é terrível território.

Quem nasceu na América do Sul, nos anos 70, cresceu sonhando com a Disneylândia, ganhar um par de tênis americanos “importados” para o Natal e adquir aparelhos eletrônicos. A idéia de viajar, mesmo dentro do país, era um sonho distante para a maioria das pessoas comuns. Tivemos a liberdade, apenas não o dinheiro (nem a cultura) para tal. Cuba e Rússia, ao longo dos anos da Guerra Fria, foram pintados como o próprio inferno, os terríveis comunistas comedores de crianças e seus modos desprezíveis, viciosos e socialistas. A propaganda “anti” era sutil e agressiva, ao mesmo tempo. O Céu na Terra era o sonho americano e o inferno de Dante foi comprimido nas cartas URSS.

O tempo é sábio e os ventos nunca cessam de soprar. A vida é este pequeno barco de vela que, por acaso ou necessidade, nos leva às margens do mundo e nos mostra o que nossos olhos e nossa alma anseiam ou precisam ver.

A vida está cheia de reviravoltas.

De HEL (aqueles que viajam sabem onde é) eu tive partir para o grande desconhecido.

E, de repente, aqui estava eu, preparada para a selvageria, frieza e desagradável aspereza da Rússia. Mas ao invés disso, encontrei só o oposto disso tudo. 

Pessoas amáveis, verdadeiras, prestativas, bem instruídas, mas humildes e lindas. Uma cidade que transcende beleza, história, cultura. Céus azuis profundos, solos nevados brancos e arquitetura de tirar o fôlego que, mesmo em -23 ° C faz você parar e olhar, surpreendido, encantado, a mágica de tão belos cenários. Inútil descrever. Se você quiser compreender o que é a beleza deste lugar, você tem que vir, ver, explorar, experimentar por si mesmo. Leningrado é incrível. São Petersburgo é surpreendente.

O desconhecido é território maravilhoso.
A beleza e o aconchego me inspiraram.

Composição de cor e poesia, russas.
PINTURA DISPINÍVEL: 

“Poesia Russa” – acrílico sobre linho – 30×40

março/2017 – Luciana Mariano ©

lucianamariano1@hotmail.com 

Palafitas

image

Eu nunca vou me ajustar num mundo onde alguns vivem no luxo e na riqueza e outros vivem no lixo e na pobreza. Empatia e solidariedade não deveriam ser artigos raros, mas são. Moleque morrendo com fome em porta de restaurante é sinal que a humanidade precisa de um Ctrl + Alt + Del. Hold.

*****

É proibido o uso de imagens autorais sem autorização por escrito do artista.

Para informações contacte: lucianamariano1@hotmail.com

sereia – mermaid – sirena – havfrue

20121203-115245.jpg

Sereias são seres encantados
Inventados
Improváveis
Irreais

Metade peixe
Metade moça
Vivendo no mar

Eternamente

Não se sabe nada delas
E quem soube, não sobreviveu para contar

Por tantas lágrimas vertidas de seus olhos frios
O mar se tornou salgado
Revolto
Profundo
Infinito

Se sua solidão é sina
Ou necessidade
Também não se sabe

Seu canto, pranto e tristeza
Seu nado, dança e Beleza
Divide sonhos e encantos
Mergulha a imaginação humana
Nos mistérios da natureza.

{egrégora – egregore – egregor}

Alguns trabalhos, assim como algumas pessoas, nos permite evoluir a alma.

  “Life has taught us that love does not consist in gazing at each other but in looking outward together in the same direction.”
— Antoine De Saint Exupery

REFLEXÃO*REFLECTION*RIFLESSIONE*REFLEKSION

“SE não fosse um olhar para trás, um olhar sempre pelo tempo percorrido, o presente não seria e não seria o passado e o hoje não havia. Na verdade, o que se tem vivido prevalece e se desdobra quando valem a pena. E quando as pessoas se valem, não pelo que são, mas, pelo que podem e fazem, aí sim, o que se fez, o que se viveu continua, e se desdobra em vida.

Amanhã quando o sentimento do  mundo se fizer mais intenso entre nós dois, esta vida estará inteiramente vivida. Então seremos repouso recíproco e viveremos uma outra dimensão do amor;  ou então será como uma breve melodia, algumas notas de música que deixamos de lado e que não serão usadas de novo, um sonho, que será lembrado ocasionalmente e que troca aquele gosto de saudade, saudade do que fomos, do que sentimos, do que houve, emfim, da vida que tivemos a oportunidade de viver.”

FELIZ ANIVERSÁRIO.

FELIZ TEMPO.

FELIZ VIDA.

FELIZ.

A matter of taste

when you trade a bowl of sweet strawberries for a plate of rice and beans, it´s not stupidity…

it´s just a matter of taste.

For me sugar, cream and plenty of strawberries, please!

***********************************************

Cuidado

A porta cerrada
não abras.
Pode ser que encontres
o que não buscavas
nem esperavas.

Na escuridão
pode ser que esbarres
no casal em pé
tentando se amar
apressadamente.

Pode ser que a vela
que trazes na mão
te revele, trêmula,
tua escrava nova,
teu dono-marido.

Descuidosa, a porta
apenas cerrada
pode te contar
conto que não queres
saber.

Lazy afternoon

A beleza do que é simples, na complexidade do que não é.

Às vezes, em dias de luz perfeita e exacta

Às vezes, em dias de luz perfeita e exacta,
Em que as coisas têm toda a realidade que podem ter,
Pergunto a mim próprio devagar
Porque sequer atribuo eu
Beleza às coisas.

Uma flor acaso tem beleza?
Tem beleza acaso um fruto?
Não: têm cor e forma
E existência apenas.
A beleza é o nome de qualquer coisa que não existe
Que eu dou às coisas em troca do agrado que me dão.
Não significa nada.
Então porque digo eu das coisas: são belas?

Sim, mesmo a mim, que vivo só de viver,
Invisíveis, vêm ter comigo as mentiras dos homens
Perante as coisas,
Perante as coisas que simplesmente existem.

Que difícil ser próprio e não ser senão o visível!

                                        Alberto Caeiro

o-LH-o

Verdade

A porta da verdade estava aberta,
mas só deixava passar
meia pessoa de cada vez.

Assim não era possível atingir toda a verdade,
porque a meia pessoa que entrava
só trazia o perfil de meia verdade.
E sua segunda metade
voltava igualmente com meio perfil.
E os meios perfis não coincidiam.

Arrebentaram a porta. Derrubaram a porta.
Chegaram ao lugar luminoso
onde a verdade esplendia seus fogos.
Era dividida em metades
diferentes uma da outra.

Chegou-se a discutir qual a metade mais bela.
Nenhuma das duas era totalmente bela.
E carecia optar. Cada um optou conforme
seu capricho, sua ilusão, sua miopia.

Carlos Drummond de Andrade

**************************

homenagem aos olhares de drummond… que como ninguém traduzia seu olhar em palavras de pura beleza.